sexta-feira, 10 de junho de 2011

Jornada Cultural

A convite da USP:

A Associação de Arte e Cultura Periferia Invisível na Jornada Cultural, um evento com mesas redondas sobre temas sociais e políticos, oficinas de arte e apresentações culturais. Falando sobre Acesso à Cultura na Periferia - Palestrante: Coordenador Geral da Associação de Arte e Cultura Bruno Veloso.
Serviço:

09h às 10h Inscrições
10h às 12h Mesas e Oficinas
12h às 14h Almoço, Oficinas e Apresentações
14h às 16h Mesas e Oficinas
16h às 17h Oficinas e Apresentações

Data: 11 de Junho de 2011 (sábado)
Local: Auditórios da Escola de Artes, Ciências e Humanidades - USP
Horário: 09:30 - 17:00

Inscrições: Previamente pelo e-mail:
jornadacultural2011@hotmail.com e na recepção do evento as 09:30 horas para receber o certificado.


OBS: Haverá Cantina aberta para compra de lanches.
Não haverá bandejão aberto.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Algo

Algo me mantém aqui. Por tudo que acredito, sei que absolutamente nada neste mundo é por acaso. E também sei que tudo neste vida é energia. E que energia é essa que encontrei ? Uma energia inocente, que chega aos poucos e antes que você perceba já te cativou. Talvez seja a energia da vontade de um sonho impossível ou talvez seja a energia da realidade que cada vez mais se aproxima do sonho. A energia da mudança, a energia do movimento. Talvez seja isso que me mantém aqui. Talvez.
Algo me mantém aqui. Por tudo que aprendi, sei que a gente sempre tem escolha. E também sei que são essas escolhas que nos fazem ser quem somos, são elas que decidem nosso destino. E que destino é esse a nos esperar ? Um destino grandioso, de grandes conquistas. Um futuro brilhante com alicerces não somente no conhecimento individual de cada pessoa que faz parte dele, mas também nas relações que se estabelecem entre cada um. Relações de amizades verdadeiras que serão levadas pro resto da vida, e para além dela. Com certeza.
Algo me mantém aqui. Por tudo que vivi, sei que tempestades virão. E também sei que se sobrevivermos a todas elas, como feito até agora, elas servirão apenas para nos dar ainda mais força. E que força é essa a nos impulsionar ? Uma força resultante de um misto de sentimentos:  O amor pela arte, a vontade de se doar a alguma coisa que valha a pena, um profundo desejo de mudança. Uma força que exerce um potencial multiplicador enorme e do qual colhemos frutos hoje, vendo o número de pessoas querendo se envolver e o aumento enorme da equipe. Não sei quem lembra, mas em nosso projeto original, era esse um de nossos objetivos - a multiplicação dos agentes. Felicidade pelo nosso sucesso.
Algo me mantém aqui. Não sei explicar bem o que é, talvez um pouco de cada item escrito acima; a energia, o destino, a força. Mas sei que agradeço por isso existir e por me proporcionar a oportunidade de usufruir de tanta coisa boa nestes últimos anos. De tanta arte, de tanta transformação pessoal, mas, principalmente, a oportunidade de usufruir de tantas pessoas inacreditáveis. Graças a isso, que me manteve e me mantém aqui, tive a chance de conhecer o Binho, um menino que já é adulto e que guarda uma sabedoria maior que a de alguns avôs. Tive a chance de conhecer o Hamilton, um artista genial que consegue transmitir a beleza de sua alma em tudo que faz. O Ederson, a dedicação em pessoa e talento nato para decoração. A Andreza, que consegue descomplicar tudo, sabe colocar você pra cima em um instante, e sabe usar as palavras como ninguém. Felipe, amigo que ganhei, apesar das primeiras impressões dele a meu respeito, e que terei pra sempre.  Tive a chance de conhecer também a família Veloso. O Victor, que já era um grande amigo meu, mas que estava perdido por aí e a gente acabou se encontrando de novo no PI. Murilo, deve ser a pessoa mais engraçada que eu conheço e que sei que posso contar a qualquer momento, principalmente depois de uma "elevada ingestão de álcool". Mayara, que atrás do seu jeito brincalhão esconde um talento invejável e uma força fora do comum. Bruno, o cara que mudou o Periferia pra melhor, mas que mudou muito mais a si mesmo no meio do processo e claro que também para a melhor. Amigo de longa data, chama a responsabilidade, fala sério na hora que tem que falar, mas sempre é o primeiro a fazer piada quando o momento é de descontração. Irmão de caminhada, não tenho muito o que falar. E apesar de não ter o sobrenome (ainda), tem mais alguém nessa família aí. Yara, que, conforme dizem os boatos, é a mulher mais disputada do Periferia (são apenas boatos, dreza) e que, segundo se fala, se mostrou uma ótima professora de dança, asessora de imprensa, e, mais importante, uma pessoa maravilhosa (afinal, aguentar o Bruno todo esse tempo não é tarefa fácil). Também conheci o Diogo, sempre disposto a ajudar, é dono de uma percepção refinada, pega as coisas no ar. Ao contrário do Randerson, que tá sempre viajando ninguém sabe por onde, mas que possui um talento espetacular. Também conheci a memê, que por sua vez conhece meio mundo, apesar de achar que alguns não merecem sua atenção - são idiotas (haha). Mas a Bruna, com certeza, não está entre esses, pois quando as duas começam a conversar, não há quem faça parar. Ah, tem um mlk também que manda muito no beat-box, no teatro, na batera, no vocal e nas piadas terminadas em AU  (tá, nisso ele não manda tão bem assim), Cleiton, que era firmeza mas que logo logo vai ficar puta chato, igual o Victor depois que entrou pra equipe do Bruno (rs). E pra fechar as novas aquisições do PI, temos também o Felipe, que, em uma palavra, pode-se chamar de uma pessoa irreverente. Enfim, conheci tantas pessoas e encontrei nelas tantos amigos que não poderei esquecer jamais o PI, ainda que um dia, por qualquer motivo besta ou não, eu tenha que sair.
Por enquanto, algo me mantém aqui.
E eu não sei o que é.
Mas agradeço.
Sinceramente eu agradeço,
Todos os amigos, todos os momentos, tudo.
Obrigado a todos coletivamente, e a cada um individualmente.
Amo vocês, e espero que esse algo continue me mantendo aqui por muitos e muitos anos.
Felicidade e sucesso para todos nós, sempre,
Stu.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Feira do livro na USP Leste

Essa semana está rolando a feira do livro na EACH USP, também conhecida como USP Leste. Diversas editoras com livros em até 50% de desconto, algo muito bacana para a universidade, falando como aluno, e melhor ainda para o local, falando como morador.
Muitos autores também vem até a feira para realiazar palestra e falar sobre suas obras, como por exemplo o Carpinejar. Mas eu continuo batendo na mesma tecla do Sarau da EACH, o qual eu organizei a frente do Periferia Invisível com a Atlética de GPP, o que falta para a universidade de São Paulo é a aproximação com a população, afinal ela é um equipamento público, do qual a população deveria se apropriar. Não quero desmerecer a organização do evento, diferente disso, gostaria de parabenizá-los pois estava muito bom.
Resaltando outro ponto positivo dos organizadores do evento, e para mim o mais legal dele, foi o convite feito ao Emerson Alcalde para lançar seu livro "(A) Massa" na feira, não por o Emerson ser amigo meu ou coisa do tipo, mas por ele ter dado mais vida a feira. Primeiro que cheguei ontem e hoje na faculdade as 17:00 horas e vi diversas crianças de escolas públicas locais saindo dos auditórios, quem estava palestrando para elas era o próprio Emerson, falando poesias como "Eu vi Neymar" de sua autoria. Outra atividade que o Emerson propos e a organização acatou foi a realização de um pequeno Sarau, e a galera chegou, falou poesias, muitos ouviram poesias e as palavras ganharam vida além de sua moradia, os livros.
Parábens a organização do evento, ao Emerson, e continuemos a trazer cada vez mais livros, teatro, filmes, quadros, e qualquer tipo de expressão artística para aproximar a população em geral disso.

Livros de 2011

# 1 - Ferréz - Cronista de um tempo ruim
# 2 - Alessandro Buzo (Curadoria) - Pelas periferias do Brasil Vol. IV
# 3 - Jessica Balbino - Traficando Conhecimento
# 4 - Alessandro Buzo - Favela Toma Conta
# 5 - Alessandro Buzo (Curadoria) - Pelas periferias do Brasil Vol. III
# 6 - Alessandro Buzo - Suburbano Convicto, o cotidiano do Itaim Paulista
# 7 - Alessandro Buzo - Guerreira
# 8 - Rodrigo Ciríaco - Te pego lá fora
# 9 - Akins Kinte & Elizandra Souza - Punga
#10 - Aluísio Azevedo - O Cortiço
#11 - Naum Alves - A aurora da minha vida
#12 - Molière - Os ciúmes de Barbouillé
#13 - Molière - O médico volante
#14 - Molière - As preciosas ridículas
#15 - Ariano Suassuna - O Santo e a Porca
#16 - Luis Alberto de Abreu - O anel de Magalão
#17 - Maria Clara Machado - Pluft: O fantasminha
#18 - Sandra Mayrink e Daniel Rech - Associações
#19 - Scott Fitzgerald - O curioso caso de Benjamin Button
#20 - Alessandro Buzo - Hip Hop: Dentro do Movimento
#21 - Adélia Prado - Bagagem

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Medíocre

A palavra que mais me assombra é sem dúvidas "Medíocre", não pelo medo de ser uma pessoa assim, mas de ter minha existência definida por ela.
Hoje, analisando minha rotina no estágio percebi o conformismo nas pessoas. Mas tudo começa um pouco antes disso, para ser mais exato quando acordo, é sempre com o sol no rosto, porque tenho uma mania terrível de dormir no sofá ao invés da cama, ja acordo cheio de energia comandado pelo astro rei. Penso em um novo dia, novas idéias, novas lições e por ai vai.
Uma coisa que sempre vem na minha cabeça é onde está a minha família, penso também nas pessoas que gosto e que são próximas de mim. Enquanto me troco coloco uma boa música, fico cantando até a hora de sair, a música vem então para os fone de ouvido. Na cabeça coisas sobre o Periferia Invisível, enquanto O Rappa invade minha cabeça, minha alma se enxe de estímulo para o dia.
Chego até o ponto e vejo diversas pessoas esperando o mesmo ônibus, no mesmo horário. Se pensarmos na nossa sociedade ela é totalmente baseada na confiança, obviamente que esta movida pelo capital. No caso do ônibus, por exemplo, as pessoas tem a plena confiança de que a lotação estará naquele mesmo horário passando para buscá-las, além disso a confiança de sua integridade física à um motorista que não se sabe quem é. Se pensarmos bem, muitas relações de nosso dia-a-dia são confiantes de que as outras pessoas farão a sua parte.
A maioria das pessoas que ali estão só tem um único desejo, que chegue logo sexta-feira. As ações delas são totalmente negligenciadas, a vida torna-se algo mecânico, a conversa no ônibus é sempre a mesma, sobre problemas financeiros, o jogo de ontem, o patrão ignorante ou o companheiro de trabalho incompetente.
O metrô então chega a ser algo muito pior, não há nem a conversa, as pessoas só querem garantir seu espaço e olhar muito envolta para correr quando surge um lugar vazio. O jeito é enfiar a cabeça dentro de um livro!
Chegando até o local onde estou fazendo meu estágio vejo o trabalho das pessoas, as atividades delas são as mesmas há 10 anos, estas são muito limitadas, o que afeta inclusive a sáude das pessoas. Não há desejo algum nelas de fazer algo grande, diferente, desafiador, somente há o desejo de receber seu salário garantido pela estabilidade do serviço público e economizar para quem sabe nas férias fazer uma viagem de Cruzeiro. Levar uma vida medíocre!
Faça algo diferente quando acordar, algo simples e marcante, seja grande para quem é próximo a você, ja diria Marechal "Quer ser grande? Vai ser grande para a sua comunidade". Um exemplo de atitude simples é dizer aos seus pais que os ama, mas dizer de verdade, quando sentir vontade, ligar para eles e conversar grande parte do dia, para um amigos, namorada, ou qualquer pessoa na rua, certa vez havia uma moradora de rua na República querendo contar para alguém que havia sido agredida, mas ninguém parou para conversar com ela, chegou até mim, conversamos e levei ela até a Ação Educativa no centro onde ela vendeu os chaveiros que fazia e pelo ao menos naquela noite a barriga dela foi dormir mais feliz. Para os que não estão próximo, tente algo desafiador, acredite que ter a responsabilidade de Coordenar uma Associação com 19 anos é extremamente desafiador, ainda mais quando se trata de algo tão visceral quanto a arte, ou mais que isso, quando se trata do sonho de diversas pessoas. Não é somente isso, mas acredito que é grande parte, procuro sempre me entregar 101% em tudo que faço, não acreditom em limitações, sempre é possível extrair o 1% a mais.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Projeto Marginaliaria

12/05 Quinta-feira, Projeto Marginaliaria na Ação Educativa.

rua General Jardim, n º660
Proximo aos Metros Santa Cecília e República.


segunda-feira, 25 de abril de 2011

Agradeço

Tinha um menino sentado na beira da calçada e vinha em sua direção um sábio com uma vela acessa na mão, chegou perto do menino e disse
Meu filho vou lhe fazer uma pergunta.

- O sábio com a vela na mão se aproximou do menino e o perguntou de onde vem a luz?
- O menino se aproximou da vela molhou os dedos de cuspi e a apagou, assim logo em seguida perguntou ao sábio, me diga o sr. para onde ela foi?

“Pois é esse menino Bruno Veloso vai se tornar um grande artista”, palavras do Hamilton Fernades em uma tarde de sábado.

Beijos

Binho Santana

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Dia das Mães

Mães realezas

Dorme país tropical
seus filhos correm perigo
a pátria geme um brado retumbante
que escurece o sol da liberdade
fúlgido é o sorriso que não se vê mais
nos rostos de mães heróicas.

Com braços fortes e mentes fracas
a igualdade na injustiça é penhorada
desafiando o peito materno
a própria morte, arrancando-lhes
do seio a existência.

Ó Pátria amada
Idolatrada
Salve Salve
Nos Salve
Das crueldades do homem

Os sonhos intensos de seus filhos
descem a terra pela falta de amor,
o mesmo que, pela própria natureza,
resplandece no coração de mãe
e nos espelha a grandeza do futuro

Ó Mãe amada, nos perdoe
por sermos agora filhos do solo
e sairmos de vossa vida gentil
em berço esplendido permanecemos deitados

Pós fulguras partimos em
Busca do Novo Mundo
Falta nos faz teus lindos risos
e desejamos para vossa vida
mais amores

Que o teu amor eterno seja símbolo
melhor que o lábaro que homenageia nosso corpo,
pois só frente a ele é possível desejar
Paz no futuro, diante das inglórias do passado

Mas, se ergues a justiça do Cristo Redentor,
que rende o filho teu, da nossa luta
não temas quem adorou nossa morte
Ó Mãe amada.

Tu e outras mil se unam, para fazer do Brasil, a pátria amada!

Poesia declamada em vídeo chamada do Sarau


Confira como foi o último Sarau do Periferia Invisível: http://bit.ly/idgh2w

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Lançamento (A) Massa

É difícil definir a noite de ontem, quem melhor descreveu foi a jornalista Jéssica Balbino há alguns meses atrás em sua matéria para a revista "O Menelick". A livraria Suburbano Convicto encanta por si só, o espaço tem algo que te deixa envolvido com ele, mas ontem os sentidos foram além.
O amigo Emerson Alcalde lançou seu primeiro livro (A) Massa, e lá uma massa de pessoas estava presente, para todos os lados alguém com um sorriso no rosto, brindando com uma taça de vinho, comendo um amendoim e conversando de uma forma visceral. Diversos parceiros estavam por lá o André (@sempreandre), o Vato Cria das Ruas, e diversos outros, mas a "banca leste" estava em peso, quando Emerson declamou as poesias "A flor" e "(A) Massa" a livraria quase veio abaixo e a vibração dos coletivos da Zona Leste contagiou a todos, resumindo o lançamento do livro se tornou um espetáculo para quem quisesse ver ou ouvir.

Sucesso e progresso - Emerson Alcalde autografa seu livro (A) Massa. Parábens Guerreiro

Ederson e Meme (Primeiro lançamento e primeira vez na livraria), Victor e Eu  - Pow, Pow, Pow Periferia Invisível

A Banca Leste

 
Fotos - Marilda Borges e Vander Che


quarta-feira, 6 de abril de 2011

História do Teatro

A Associação de Arte e Cultura Periferia Invisível oferecerá mais uma oficina no ano de 2011, relacionada ao fazer teatral, a oficina de História e Evolução do Teatro será ministrada por Bárbara Esmênia que é formada em letras e tem uma pesquisa em teatro.

                                         
Que a formação artística cultural é pouco valorizada no Brasil não é novidade, basta frequentar uma aula de Educação Artística, tanto na rede pública quanto no segundo setor, para perceber que a educação que recebemos é a de fazer "Desenhos abstratos", aliás, motivo pelo qual a arte abstrata é pouco estimada também.
Partindo desta deficiência o Periferia Invisível vem atuando para expandir e multiplicar o conhecimento. Ficha de inscrição pelo site http://www.periferiainvisivel.com.br/

quinta-feira, 31 de março de 2011

Sarau na EACH


Sarau na Universidade de São Paulo (USP)

Aproximação da Universidade com a população

O projeto político de instalar uma sede da universidade mais conceituada do Estado de São Paulo na periferia da zona leste é elogiável em alguns aspectos, entretanto, a maior crítica sobre a universidade é a não apropriação dos espaços/bens públicos dispostos pela própria população da zona leste.

Visando quebrar esta barreira ideal que a Associação de Arte e Cultura Periferia Invisível vai realizar, em parceria com a Associação Atlética Acadêmica de Gestão de Políticas Públicas, o “Sarau na EACH” - Escola de Artes, Ciências e Humanidades. A proposta do sarau é a de aproximar a população local do patrimônio que lhes é de direito e que estes usufruam os equipamentos que a Universidade dispõe – biblioteca, quadras, laboratórios e etc.

O Sarau acontecerá em três horários e contará com a participação da população, dos alunos da universidade e de diversos grupos, entre eles:

- Marginaliaria
- Os Mesquiteiros
- Tenda Literária
- Final de Semana Cultural
- MAIA – Meio ambiente
- Vande Che – Graffiteiro

quarta-feira, 30 de março de 2011

Lançamento

É só chegar

Vida

Trabalhamos, planejamos, executamos e enviamos um projeto para aquele edital chamada VAI (Valorização de iniciativas culturais)... Se ganhamos? Infelizmente não. Saiu ontem o resultado do Programa VAI e o nome do Periferia Invisível não estava listado, obviamente ficamos tristes pois seria um dinheiro revertido para a produção da WebSérie e principalmente para manutenção do nosso trabalho, principalmente dos jovens atores envolvidos na produção.
Se ficamos arrasados? Não. Apesar de não termos sido agraciados, o programa valorizou diversos parceiros e iniciativas culturais que conheço e sei que o dinheiro foi bem investido, posso destacar:

Os Mesquiteiros 

Marginaliaria

Além da Rede Livre Leste, Perifatividade, Arte Maloqueira e diversos outros coletivos que desenvolvem atividades sensacionais.
Mas nossa alegria vai muito além disso, primeiramente porque ontem foi aniversário de um dos nossos alunos da oficinas e de um grande artista.
Victor Hugo durante a apresentação da peça "A gente pena, mas não pára" do Periferia Invisível

Depois porque o resultado de um edital não vai afetar nosso trabalho diante da grandeza da vida. Isso porque hoje 30/03/2011 vem ao mundo uma rainha, uma deusa periférica, uma pequena artista e mais um grande motivo para permanecermos fortes e trabalharmos cada vez mais. É tipo a propaganda do MasterCard "Existem coisas que o dinheiro não compra".
Hoje um dos fundadores do Periferia Invisível, Binho Santana que é ator, produtor, iluminador, sonoplasta, amigo, companheiro, guerreiro e uma das melhores pessoas que já conheci na vida será papai de novo. Essa família vai ficar maior e mais bonita:

Binho Santana e seu filho Rian - hoje mais felizes e mais unidos esperando a pequena!

segunda-feira, 28 de março de 2011

Nossa Missão

Um sonho? O que é um sonho senão aquilo que nos move. Porém, após ter esse sonho realizado qual o próximo passo? Pensar maior? Ir além? Acredito que não e sim fazer melhor.

Eis aqui o meu sonho... não dentro de quatro paredes, sobre um telhado, mas sim edificado em corações. Um mundo melhor? Não sou tão utópico assim, afinal, ele é grande de mais e eu não tão grande assim. Mas e o meu mundo? E aquilo que me cerca? E as crianças fazendo malabares no farol da São Miguel? E os jovens sonhando em ser a nova banda Pop do momento, esperando um mega produtor? Sem perspectiva concreta de crescimento, sem busca/oportunidade de aperfeiçoamento? Por que os homens em que meu povo confia sua vida lhe pagam com traição? Todos os "por que" não tem um porque serem perguntados, o que nos falta é ação.

Seguir sozinho a vida é fácil, me preocupar somente comigo seria extremamente fácil, mas se tem uma coisa que eu sempre gostei são de coisas difíceis. Esse sonho é concreto, o Periferia Invisível existe e age.

Jah Rastafari, Ogum, Jeová, Deus, Ala ou seja quem for sempre foi muito bondoso comigo, se é verdade que quando estamos no plano espiritual nós escolhemos o que passaremos na vida, será que eu fui tão covarde de pedir um vida tão "fácil"? Se fui, meus aplausos sempre serão aos periféricos, aqueles que fazem o suor ser belo, que fazem da vida uma obra de arte.
 

Lembrem-se de que por aqui não existe espectador.
 

quarta-feira, 23 de março de 2011

Sarau dos Mesquiteiros

 
 
Sábado, 26 de MARÇO
das 18hs as 20:30hs

...música-dança-grafite-teatro
mesa-de-pintura-pra-molecada
microfone aberto pra poesia

ATIVIDADES ESPECIAIS:
- Homenagem ao Mês da Mulher
- Dia Nacional do Grafitte

tudo na faixa!
(menos os comes e bebes, é claro!)

Na EE Jornalista Francisco Mesquita
Rua Venceslau Guimarães, 581
Jd. Verônia - Erm. Matarazzo

Compareça, divulgue!

terça-feira, 22 de março de 2011

Nossa teoria é a prática!

O coletivo cultural "Circo DoBalaio", em parceria com outros coletivos, está realizando um importante encontro no próximo final de semana. Segue o convite feito a nós:

Rede Livre Leste convida a todos para participar conosco da comemoração do Dia Internacional do Teatro e Dia Nacional do Circo, em nossas comunidades.
Contaremos com a presença de vários grupos para realização de trocas artísticas e discussão do Manifesto Livre Leste Policêntrico. Também será realizado o já tradicional Cortejo Livre Leste.
Será servido almoço gratuito vegetariano, feito por Lila Prasada - Gastronomia Saudável

Aguardamos a todos para este importante encontro na periferia leste de São Paulo!

segunda-feira, 21 de março de 2011

Um Brinde

Exibição do Videoclipe do Grupo Inquerito
            
O Periferia Invisível recebeu a proposta do renomado grupo de Rap Inquérito, através de sua assessora de imprensa Jéssica Balbino, de exibir o videoclipe da música de seu novo albúm "Mudanças".
O clipe que trata da conscientização acerca do Alcoolismo teve sua produção, quanto produto cultural, dotada de qualidade. A música "Um Brinde" é carregada de ironia e vai além do questionamento somente sobre os efeitos do álcool no ser humano, trata também de toda uma questão social como no trecho inicial "O etanol move os carros né? Mas só que o seu Zé, que foi quem cortou a cana ainda anda a pé".
A parte audiovisual, que ficou por conta do produtor Vras77, é impactante. A seleção de imagens e o jogo visual causa sensações no espectador, durante as exibições no Periferia Invisível, os comentários mais comuns eram: “Nossa, a cena da latinha com o deficiente físico no final é tensa”, “Ai que horror!”.
O Videoclipe foi exibido durante as oficinas do Periferia Invisível, sendo estas circo, dança, teatro (módulo 1 e 2), música com teatro e gestão cultural, nesta última sendo utilizada também como material de discussão. O público das oficinas são jovens com idade de 12 a 25 anos.
O grupo Inquérito e todas as pessoas envolvidas na distribuição deste material merecem todas as parabenizações, uma vez que esta foi realizada com extremo profissionalismo. Para nós, realizar esta exibição foi essencial para o processo cultural que buscamos, iniciativas como esta são de vital importância para o desenvolvimento.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Desenvolvimento como liberdade

Passado o Carnaval, chegou a hora de focar na faculdade e se tem uma coisa que a USP sabe fazer muito bem é selecionar textos de alto nível para as suas disciplinas, nesse semestre estou cursando a matéria "Teorias da Democracia e instituições políticas no Brasil" e o primeiro texto da desse curso tem uma parte extremamente interessante que diz o seguinte:

"Na orla do golfo de Bengala, no extremo sul de Bangladesh e Bengala ocidental, na Índia, situa-se o Sunderban - que significa "bela Floresta". É ali o hábitat natural do célebre tigre real de Bengala, um animal magnífico dotado de graça, velocidade, força e uma certa ferocidade. Restam relaticamente poucos deles atualmente, mas os tigres sobreviventes estão protegidos por uma lei que poíbe caçá-los. A floresta de Sunderban também é famosa pelo mel ali produzido em grandes aglomerados naturais de colméias. Os habitantes dessa região, desesperadamente pobres, penetram na floresta para coletar o mel, que nos mercados urbanos alcança ótimos preõs - chegando talvez ao equivalente em rúpias e cinquenta dólares por frasco. Porém, os coletores de mel também precisam escapar dos tigres. Em anos bons, uns cinquenta e tantos coletores de mel são mortos por tigres, mas o número pode ser muito maior quando a situação não é tão boa. Enquanto os tigres são protegidos, nada protege os miseráveis seres humanos que tentam ganhar a vida trabalhando naquela floresta densa, linda - e muito perigosa.
Essa é apenas uma ilustranação da força das necessidades econômicas em muitos países do Terceiro Mundo. Não é difícil perceber que essa força fatalmente pesa mais do que outras pretensões, como a liberdade política e os direitos civis. Se a pobreza impele os seres humanos a correr riscos tão terríveis - e talvez a mortes tão terríveis - por um ou dois dólares de mel, poderia ser estranho enfocar apenas sua liberdade formal e liberdade políticas. O habeas-corpus pode não parecer um conceito comunicável nesse contexto. Sem dúvida deve-se dar prioridade, argumenta-se, à satisfação de necessidades econômicas, mesmo se isso implicar um comprometimento das liberdades políticas. Não é difícil pensar que concentrar-se na democraca e na liberdade política é um luxo que um país pobre "não se pode dar". "
Trecho do livro - Desenvolvimento como liberdade - Amartya Sen

O mais interessante é na continuação do texto a informação de que essa ideologia de se pensar em recursos econômicos é defendida justamente pelo países desenvolvidos, ou seja, quem está no topo e não quer sair de lá. Por isso digo e continuarei dizendo "Move mente se"

Livros de 2011

# 1 - Ferréz - Cronista de um tempo ruim
# 2 - Alessandro Buzo (Curadoria) - Pelas periferias do Brasil Vol. IV
# 3 - Jessica Balbino - Traficando Conhecimento
# 4 - Alessandro Buzo - Favela Toma Conta
# 5 - Alessandro Buzo (Curadoria) - Pelas periferias do Brasil Vol. III
# 6 - Alessandro Buzo - Suburbano Convicto, o cotidiano do Itaim Paulista
# 7 - Alessandro Buzo - Guerreira
# 8 - Rodrigo Ciríaco - Te pego lá fora
# 9 - Akins Kinte & Elizandra Souza - Punga
#10 - Aluísio Azevedo - O Cortiço
#11 - Naum Alves - A aurora da minha vida
#12 - Molière - Os ciúmes de Barbouillé
#13 - Molière - O médico volante
#14 - Molière - As preciosas ridículas
#15 - Ariano Suassuna - O Santo e a Porca
#16 - Luis Alberto de Abreu - O anel de Magalão
#17 - Maria Clara Machado - Pluft: O fantasminha

segunda-feira, 7 de março de 2011

Vila das Almas

A peça "Vila das Almas" que é resultado da Oficina de Teatro do Periferia Invisível entra em cartaz no dia 02-04-2011, sábado às 19:00 horas. A peça dirigida por Hamilton Fernandes, foi baseada no livro de Valter Cassalho que presenteou o Periferia Invisível durante uma viagem que fizemos em 2010 para a cidade de Joanópolis.
A peça tem como temática o folclore, convidamos todos para embarcar nas lendas que envolvem toda a Vila das Almas, passando pelo "Cortejo das almas", "A noiva", "A porca dos olhos vermelhos", "O velho bruxo" e "A lenda de Yara".


Ingresso Consciente, quanto vale para você ir ao Teatro?

Foto minha tirada durante apresentação da peça em 2010 realizada no festival Satyrianas.

 Cortejo das Almas


 O público


Informações
Local: Espaço do Invisível
Datas: Sábados e Domingos
Horários: Sábados as 19:00 e Domingos as 20:00
Entrada: Ingresso Consciente

Realização


Perifolia

Venha festejar conosco o seu Carnaval, sábado dia 12/03 às 19:00 horas. 
* Na porta o preço do ingresso será maior, adquira o seu antecipadamente

sexta-feira, 4 de março de 2011

Novos trabalhos

Eita semana boa essa, diversas coisas novas aconteceram, vamos começar com uma novidade cultural:
No sábado passado assisti ao ensaio da peça "Em um quarto de bordel" aonde o elenco estava um tanto quanto perdido devido ao pouco tempo de ensaio que tiveram e terem agendado sua estréia para o dia 19/03. Conversamos muito sobre como estava a peça e fui convidado para ajudar no processo de criação desta, que teve sua estréia adiada por tempo indefinido, então neste sábado começo a trabalhar em cima dela.
Outra novidade, mas essa não vou contar muito, é o curta metragem que o Periferia Invisível está produzindo chamado "A curva", com texto e direção de Hamilton Fernandes. História baseado em fatos reais que tem como personagem principal a atriz Mary Elen.
Saindo um pouco dos trabalhos na área de cultura, comecei um estágio esta semana na Secretária de Transportes - Departamento Hidroviário, o pessoal que trabalha comigo é extremamente atencioso e super gente boa. Aliás, aconteceram duas coisas engraçadas no primeiro dia: Estava indo trabalhar, andando da praça do Metro Tiradentes para a Armênia e alguém passou do meu lado e chamou "Bruno", logo de cara não reconheci, depois lembrei que se tratava de uma aluna de Rádio e TV da Universidade Anhembi Morumbi, que no ano passado fez um trabalho que tinha como tema o Periferia Invisível. A segunda coisa, foi que cheguei para trabalhar no dia em que estava tendo um treinamento para um novo sistema, quando a pessoa que estava aplicando o treinamento me reconheceu também do Periferia Invisível, acontece que ele também era ator do grupo "Cafonas" (www.cafonas.com.br). Muito bom o reconhecimento que o Periferia Invisível está ganhando.
A ultima novidade boa que pintou esta semana foi um projeto que eu estava com vontade de fazer há algum tempo e agora comecei a desenvolver. Se trata de uma produção audiovisual baseada no livro de Alessandro Buzo - Guerreira. Durante a semana mandei um e-mail para o Alessandro Buzo pedindo permissão para trabalhar em cima do texto do livro, ele foi super atencioso e deu o aval para realizar o trabalho, o grande problema é que a história é muito rica e fazer o roteiro vai dar muito trabalho pois é difícil se desapegar de certas partes. Mas na realidade nem comecei a fazer o roteiro, pois estou preparando um projeto explicando detalhadamente a proposta para o Alessandro Buzo e para apresentar para os futuros atores que irão trabalhar comigo.
Ufa! O ano começou bem para mim, ainda tenho algumas propostas de atividades para realizar, tanto com a oficina que vou ministrar de Gestão Cultural, projetos do Periferia Invisível, como dentro da Universidade de São Paulo aqui da Zona Leste aonde atuou pela Atlética como Diretor de Artes, agora nesse semestre vou tentar desenvolver atividades dentro da Universidade aonde a população dos arredores consuma... mas isso só é possível depois do Carnaval. Por enquanto, bom Carnaval para todos e vai Gaviões da Fiel!!!


Livros de 2011

# 1 - Ferréz - Cronista de um tempo ruim
# 2 - Alessandro Buzo (Curadoria) - Pelas periferias do Brasil Vol. IV
# 3 - Jessica Balbino - Traficando Conhecimento
# 4 - Alessandro Buzo - Favela Toma Conta
# 5 - Alessandro Buzo (Curadoria) - Pelas periferias do Brasil Vol. III
# 6 - Alessandro Buzo - Suburbano Convicto, o cotidiano do Itaim Paulista
# 7 - Alessandro Buzo - Guerreira
# 8 - Rodrigo Ciríaco - Te pego lá fora
# 9 - Akins Kinte & Elizandra Souza - Punga
#10 - Aluísio Azevedo - O Cortiço
#11 - Naum Alves - A aurora da minha vida
#12 - Molière - Os ciúmes de Barbouillé
#13 - Molière - O médico volante

terça-feira, 1 de março de 2011

Workshop de Dramaturgia

Música, literatura, graffiti, audiovisual...Teatro! A Associação de Arte e Cultura Periferia Invisível realizou no ano de 2010 diversas atividades relacionadas ao Teatro, em 2011 não poderia ser diferente. A primeira atividade a ser realizada é um Workshop de Dramaturgia com o ator, escritor, dramaturgo e polivalente Emerson Alcalde.
Emerson Alcalde, campeão do ZAP de 2010

Segundo as palavras de Emerson, no Workshop:

Pretende-se apresentar um panorama geral da dramaturgia desde O teatro grego, passando pelos autos medievais, Shakespeare até a contemporaneidade e os principais autores brasileiros. Exposição e analises dos gêneros: Lírico, épico e dramático. A estrutura básica da construção de roteiros. Finalizando com um exercício pratico de escritura de uma cena.

Local: Periferia Invisível
Data: 19/03
Horário: 20:00 horas
Mais informações poderão ser encontradas em breve no site www.periferiainvisivel.com.br, assim como a ficha de inscrição para o Workshop.

Realização

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Como foi o lançamento do livro "Hip Hop: Dentro do movimento"

Na ultima sexta-feira (25/02/2011) aconteceu no Periferia Invisível o lançamento do livro "Hip Hop: Dentro do movimento", com a presença do autor Alessandro Buzo que falou um pouco sobre seu trabalho literário e sobre a concepção do livro.
Logo depois uma novidade aconteceu. Buzo pegou o seu livro "O Trem" e recitou uma poesia, esta inspirou as pessoas presentes no Periferia Invisível, alguns rostos conhecidos, que nunca haviam declamado, subiram até o palco e recitaram com perfeição. Descobri que algumas pessoas que eu conheço há algum tempo, tem poesias de autoria própria, vi minha irmã de apenas doze anos recitando "Brasil - Sérgio Vaz" e para mim foi lindo. Lindo, pois havia no local cerca de 6 crianças, que moram no entorno da região e curiosos entraram para ver o que estava acontecendo, ver um monte de gente grande recitando parecia engraçado para eles, mas quando uma pequena garota o fez, aquilo virou algo sério. Tão sério que eles vieram nos procurar no Sábado e no Domingo perguntando o que iria ter no Periferia.
Diante disso só temos que agradecer Alessandro Buzo, pois dentre os presentes no lançamento de seu novo livro poucos conheciam Literatura Marginal, e ver algumas senhoras saírem da missa e entrarem curiosas atrás do escritor que estava lançando o livro, levar alguns livros que tenho e voltar com metade deles porque os presentes pediram emprestado para conhecer mais (levei quase a obra inteira do Buzo, 8 de 11 livros dele) e escutar a poesias de autoria própria de alguns para nós foi gratificante. 
Quando conheci o Buzo, o que me chamou atenção foi ele dizer que era difícil mas muito bom conseguir conquistar um por um, entregando seus livros em uma mão de cada vez. No Periferia Invisível ele conquistou diversas pessoas, do mais novo até o mais velho. Novamente, muito obrigado Alessandro Buzo por ser "a contra-indicação, o favelado com o livro na mão".

Um bate-papo feito com Buzo durante o lançamento: 


Hip Hop: Dentro do Movimento

Buzo e Eu, já estou devorando o livro.

Literatores
Buzo e Randerson, que veio só para prestigiar e saiu direto em direção a Bahia
Buzo e Victor

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Movimentando

Hoje foi um dia diferente, passei em dois lugares que gosto de frequentar. Gosto porque além de ter amizades em ambos, meus pensamentos voam.
Primeiro fui até o espaço dos Satyros, na praça Roosevelt, aonde acontecia o ensaio da peça "Justine". Apesar de ja ter assistido a essa peça e de me recordar de algumas falas até, algumas idéias dela vieram em minha cabeça enquanto eu estava no Espaço Suburbano Convicto, no Bixiga, aonde aconteceu o Sarau Suburbano.
Mesmo sendo muito próximos, cada um dos espaços tem a sua identidade visível seja pela linguagem, pelo público ou até mesmo pelas pessoas que comandam os espaços. Entretanto, apesar dessas diferenças as questões tratadas hoje tanto no Sarau quanto no ensaio da peça, mostram a proximidade da produção cultural. O que difere é a estética, o formato, a linguagem e diversos outros fatores, mas o tema principal em ambos os casos é visível.
Os Satyros em sua imensa pesquisa sobre Artaud brinca com idéias como "Qual a possibilidade de em um julgamento sobre furto, aonde os acusados são um rico e um pobre de o rico ter cometido o crime?" e durante o enredo da peça mostra como é a sociedade.
Na livraria, diversos poetas fazem a arte imitar a realidade, tornando a poesia ácida, reivindicando voz através da arte, de uma forma mais direta, gritante, exigente até, durante o sarau estes mostram como é a sociedade. Os problemas estão ai, são diversos grupos demonstrando para quem quiser ver quais são eles e como dito por um dos poetas durante o sarau "Cabe a quem mudar?" o mesmo respondeu apontando para cada indivíduo "Você, você, você, você..."

Fecho minha noite, com o pensamento em um trecho de uma música dos Satyros da peça "120 dias de Sodoma" aonde eles dizem:
"Assim o Soberano subjuga o súdito!"

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Oficina de Gestão Cultural

Tem mais uma novidade pintando no Periferia Invisível, o início de uma nova oficina sobre Gestão Cultural. Estive conversando com algumas pessoas e a realização dessa oficina tem como intuito não só a produção cultural na periferia, mas a manutenção da mesma. Bom algumas informações ficam aqui, o resto é só se inscrever pelo link do site http://www.periferiainvisivel.com.br/wp-content/themes/vabnews/images/Inscricao_gestao_cultural/gestao.html

Oficina de Gestão Cultural
Oficineiro: Bruno Veloso
Início: 13/03
Data: Domingo
Horário: 16:00 às 17:00
Pessoas: 15

"A oficina de Gestão Cultural, será desenvolvida sobre discussões acerca de Bens e Serviços Culturais a produção e manutenção destes. Serão expostos as diversas formas de financiamento oferecidas pelo governo, tal qual as ações de gerenciamento possiveis para planejar e programar as atividades administrativas de organizações públicas e privadas."

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Como foi o Workshop de Audiovisual

O Periferia Invisível tem como uma de suas proposta a multiplicação dos equipamentos/meios de produção cultural. Estamos realizando a montagem de uma Websérie, que utiliza a linguagem Audiovisual, e entendo que o processo de montagem não deve ficar restrito a equipe produtora, mas sim disponibilizada a qualquer indivíduo.
A disponibilização na internet de vídeos do processo e a realização de Workshop, foram algumas das formas que encontramos de disponibilizar a experiência pela qual estamos passando, constatando que há pessoas interessadas e que estão muito distante, como por exemplo com a participação de duas meninas do Capão Redondo. Contatamos então o Coletivo Mundo em Foco que trabalha especificamente com esta linguagem para realizar o Workshop, estes se prontificaram e com três câmeras fizeram a galera delirar.
Primeiramente a Carla Soares e o Rodrigo Sousa, ambos do coletivo mundo em foco, realizaram um exercício sobre roteiro aonde a vida das pessoas que faziam o Workshop era o tema principal deste, dando a câmera na mão das pessoas estas viam sua vida contada por outra através de uma lente.
Logo após o assunto foi a posição das câmeras, movimentação, iluminação e alguns termos técnicos foram passados. Para finalizar o Workshop, os alunos deviam montar um pequeno filme editando apenas com a pausa e posição da câmera, o resultado foi muito interessante e depois de editado será enviado e disponibilizado na internet.
Gostaria de agradecer a Carla e ao Rodrigo, pela presença marcante que tiveram. Ao Vander Clementino, que está muito próximo em todas as movimentações e a equipe do Periferia Invisível que fez um ótimo trabalho na organização do mesmo.

Realização

Em parceria com:



terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Lançamento do Livro "Hip-Hop: Dentro do Movimento"

O escritor Alessandro Buzo realizará o lançamento de seu novo livro "Hip-Hop: Dentro do Movimento" no Periferia Invisível no dia 25/02 (sexta-feira) às 20:00 horas.
Buzo já lançou seu livro em locais como a Livraria Suburbano Convicto, na Cooperifa e Sarau do Binho. De passagem por todas as regiões de São Paulo o escritor lançara na Zona Leste de São Paulo no Espaço do Invisível.
O Lançamento será feito durante um encontro literário no Periferia Invisível, espaço em que o escritor terá para divulgar seu trabalho e, logo após, o palco estará aberto para quem se sentir à vontade em recitar uma poesia, ler um conto, enfim, para causar uma efervescência literária. Traga sua poesia e junte-se a nós.


Escritor Alessandro Buzo


Hip-Hop: Dentro do Movimento

*O Livro custa R$30,00 e no lançameto será R$20,00

Realização


Endereço: Rua Barra de Santa Rosa, 4405
Data: 25 de fevereiro
Horário: 20:00 horas




segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

SiFuXiPa

SiFuXiPa
Bruno Veloso

Sinestesia da realidade
Fulminante tal qual
Xingó em sua majestosa
Paz

Simplesmente assume a
Função como o
Xiba rufado de apresentar
Palpitação

Sincope de sua personalidade
Fundamentando a existência de
Xibamba, Yara, Saci, Tatá
Paganismo

Sibila sobre palcos
Fundo apelo de empunhar
Xifofilo na luta contra
Pacacidade

Atua sobre o palco
Atua na vida
Atua pelos semelhantes
Atua pelos diferentes
Atua em uma peça,
cujo ensaio de voz
requer o exercício
SiFuXiPa.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Workshop Graffiti

Uma das culturas mais fortes na periferia de São Paulo é o Hip-hop, e um dos elementos desta cultura estará presente também na Websérie, na confecção do cenário. Diante disto, realizaremos um Workshop de Graffiti, no dia 19 de fevereiro, as 19:00 horas. As inscrições também podem ser feitas pelo site do Periferia Invisível e as vagas são limitadas.
Quem irá realizar o Workshop é o cenógrafo da Websérie Vander Che, segundo as palavras dele o workshop será:

"O Que é o Graffiti?
Qual a relação que existe com as Cidades?
Direito permitido ou invação de propriedade?
Graffiti e Pixação, qual a sua opinião?

Mediante a estas perguntar, estarei desenvolvendo o WorkShop de Graffiti
pra tentar amadurecer algumas ideias e conceitos com a galera e começar a ver, ou tentar encarar, o Graffiti
com outros olhos, outros sentimentos.
Em cima disso pretendo também desenvolver a produção de uma BlackBook ( Um caderno pequeno, feito artesanalmente utilizando folhas de sulfite, papel cartão e muita criatividade) como produto do WorkShop."


Vander Che

REALIZAÇÃO


APOIO


terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Workshop de Audiovisual

Há algum tempo atrás, realizamos a gravação do curta-metragem "Traços de Pâmela" em parceria com a "Cia. Extremos Atos", o que foi a primeira produção audiovisual do Periferia Invisível, além disso esporadicamente fazemos vídeos em forma de divulgação das nossas atividades.
Mas no ano de 2011, um dos projetos que estamos desenvolvendo é a Websérie que irá trabalhar com a linguagem audiovisual, diante disto, entramos em contato com o Coletivo Mundo em Foco, que é especializado nesta linguagem, e negociamos a possibilidade de um workshop de audiovisual gratuito para qualquer individuo que tiver interesse no Espaço do Invisível.
O  Coletivo "Mundo em foco" que faz parte da Rede Cultura da ZL, aceitou nossa proposta e no dia 12/02/2011, teremos no Espaço do Invisível o workshop de audiovisual, este terá início às 19:00 horas e tem duração aproximada de 3:00 horas, as vagas são limitadas, apenas 20 pessoas sendo escolhidas por ordem de inscrição que logo poderão ser feitas pelo site do Periferia Invisível (http://www.periferiainvisivel.com.br/ ). 

Os principais assuntos deste serão:

- O que é cinema?
- Gêneros de vídeos
- Funções
- Roteiro
- Equipamentos
- Planos, enquadramentos e movimentos de câmera.
- Passarei alguns curtas ou trechos como exemplos.
- Exercícios práticos.

Oficineira: Carla Soares

REALIZAÇÃO


APOIO


sábado, 29 de janeiro de 2011

Sarau na CAJU

A zona leste de São Paulo está em constante movimento e o crescimento das atividades culturais está acontecendo em um processo acelerado. Hoje (29/01/2011) tivemos um Sarau na Pastoral da Juventude de Ermelino Matarazzo (CAJU), no evento compareceram diversos artistas da periferia e todos armados. Em cada mochila, na mão ou debaixo do braço carregavam suas armas, na frente do público disparavam palavras carregadas de protesto.
A literatura marginal invadiu a cidade sem ninguém perceber, o evento que foi realizado por uma entidade religiosa estava recheado de Sergio Vaz, Ferréz, Rodrigo Ciriaco e a idéia de que a periferia não se interessa por literatura cai por terra, pois além de ler estamos escrevendo.
Na abertura do Sarau chegou o coletivo Arte Maloqueira, que através do rap e da literatura se apresentaram sob um céu estrelado, ainda rolou poesia com Vander Che, Tenda Literária, Rodrigo Ciriaco (que voltou diretamente da Alemanha para a quebrada e autografou seu livro para mim hoje), Marginaliaria e também fiz minha participação. Além disso, houve apresentação de quatro crews e muita música.
Apesar de algumas falhas técnicas o evento serviu para demonstrar que a produção cultural na zona leste está cada vez mais articulada, desta articulação nasceu uma rede de coletivos chamada Cultura da ZL da qual o Periferia Invisível faz parte. Esta rede esta desenvolvendo diversos projetos que logo menos serão divulgados e compartilhados. Através de Blogs, sites e outros veículos é possivel tentar acompanhar esta oferta de produção cultural, se liga e se mova.

Livros de 2011

# 1 - Ferréz - Cronista de um tempo ruim
# 2 - Alessandro Buzo (Curadoria) - Pelas periferias do Brasil Vol. IV
# 3 - Jessica Balbino - Traficando Conhecimento
# 4 - Alessandro Buzo - Favela Toma Conta
# 5 - Alessandro Buzo (Curadoria) - Pelas periferias do Brasil Vol. III
# 6 - Alessandro Buzo - Suburbano Convicto, o cotidiano do Itaim Paulista
# 7 - Alessandro Buzo - Guerreira
# 8 - Akins Kinte & Elizandra Souza - Punga